Composição de renda para financiamento: como funciona?

Pode ser o que faltava para a sua liberação de crédito habitacional Conquistar um imóvel para chamar de seu é sempre um grande desafio, por isso viemos te contar uma maneira de encurtar o caminho do seu sonho: a composição de renda! Isso mesmo, é possível somar a renda de duas ou mais pessoas para

Você sabe qual é a relação entre a taxa Selic e os preços do Tesouro Direto?

Redução na taxa básica de juros da economia nem sempre resulta em valorização dos títulos públicos.

Quando você compra um título público no Tesouro Direto, os preços que aparecem em seu extrato variam diariamente, sinalizando quanto você receberia caso vendesse antecipadamente. Esses valores se movem seguindo uma lógica inversamente proporcional às mudanças nas taxas de juros, ou seja, quanto menores essas taxas, mais caros ficam os títulos, representando um ganho para

Gustavo Junqueira aposta na retomada do mercado imobiliário

Medidas adotadas pelo presidente Jair Bolsonaro devem aquecer o setor, amplamente afetado pela recessão econômica.

Durante o perîodo de 2004 a 2014, o mercado imobiliário brasileiro vivenciou uma grande euforia devido a uma combinação de fatores, como: demanda reprimida, quedas nos juros, fácil acesso ao crédito imobiliário e subisídios governamentais. Segundo Gustavo Junqueira, sócio-diretor da Imobiliária Junqueira, o mercado imobiliário começou a se “acomodar” em meados de 2014, com os

Quais são as regras do Minha Casa Minha Vida?

Você já deve ter ouvido falar no Minha Casa Minha Vida, o programa de financiamento do Governo Federal que tem ajudado inúmeras famílias brasileiras a conquistarem o sonho da casa própria.

O Minha Casa Minha Vida é vantajoso pois as taxas de juros são mais baixas e o imóvel pode ser financiado em até 30 anos, e o valor da entrada também pode ser parcelado com a construtora quando o imóvel é comprado na planta (Lançamento). Isso porque possuem juros menores e o comprador recebe um

Crédito imobiliário cresce 23,7% em janeiro

Bradesco e Santander superaram Caixa em financiamento com recursos da poupança.

Os financiamentos imobiliários atingiram R$ 3,84 bilhões em janeiro de 2018, o que representa crescimento de 4,4% em relação a dezembro e uma alta de 23,7% em comparação com janeiro de 2017. A Abecip trabalha com a expectativa de que o financiamento imobiliário voltará a crescer ao redor de 10% em 2018, apoiado por juros